quinta-feira, 18 de maio de 2017

PGR pede prisão de Aécio Neves e Supremo afasta senador

O Estado de São Paulo




Donos da empresa JBS gravaram conversa com Michel Temer que comprova que o presidente consentiu com o pagamento de uma mesada para calar Eduardo Cunha. A informação foi divulgada na noite desta quarta-feira, 17. O senador Aécio Neves também foi alvo dos grampos dos empresários.
As denúncias esvaziaram o Congresso no final do dia, provocaram protestos em capitais e novos pedidos de impeachment contra Temer. Nesta quinta-feira, 18, a PF iniciou operação que mira os citados pela JBS. O STF já determinou o afastamento de Aécio e a prisão preventiva da irmã deleAndrea Neves.
O coro pela renúncia de Temer já é reforçado por movimentos de esquerda e de direita. Os maiores protestos estão marcados para o próximo domingo, 21.
17/05/2017, 23h03

ACOMPANHE AO VIVO

  ATUALIZAR

  • 10h18
    18/05/2017
    ANÁLISE: Na avaliação do economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, a nova crise política gera um forte grau de incerteza no mercado e, com isso, a aprovação das reformas econômica, como a da Previdência, está comprometida, em qualquer cenário. Segundo ele, mesmo que Temer deixe o cargo, o próximo presidente não deve ter forças para aprovar a matéria no Congresso. "Esquece a Previdência", diz.
    Para Perfeito, a crise no Planalto deve levar o mercado a rever as projeções para as principais variáveis macroeconômicas. "Já esperávamos taxa de câmbio a R$ 3,60 no fim do ano. Possivelmente o que está com uma estimativa menor, tende a alterar. Mas revisamos a projeção para o corte da Selic este mês, de um ponto para queda de 0,75 ponto. Já é um corte significativo", afirma. Atualmente a taxa de juros está em 11,25% ao ano.
  • 10h16
    18/05/2017
    Enquanto isso, nas redes sociais, até o perfil da série House of Cards admitiu que está difícil competir com a política brasileira.
    Leia a reportagem completa no Emais do EstadãoFoto: David Giesbrecht/Netflix
    Foto: David Giesbrecht/ Netflix
  • 10h11
    18/05/2017
    BRASÍLIA - O presidente Michel Temer ainda não falou publicamente sobre as denúncias divulgadas na noite passada. Ele desistiu de compromissos oficiais e está reunido com os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-geral da Presidência) neste momento. Segundo fontes do Planalto, eles avaliam a possibilidade de um pronunciamento de Temer.
    Leia a reportagem completa de Carla AraújoFoto: Beto Barata/PR
    Foto: Beto Barata/PR
  • 10h06
    18/05/2017
    Repercussão: Políticos e personalidades comentam delações sobre Temer e Aécio nas redes sociais
    Janaína Paschoal disse que não se arrependeu de pedir impeachment de Dilma; já senador Requião gravou vídeo chamando os corruptos de 'canalhas, canalhas, canalhas'.
    Leia a reportagem completaFoto: Dida Sampaio/Estadão
    Foto: Dida Sampaio/Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário